Império Serrano faz ensaio contagiante

By at novembro 30, 2009 | 01:33 | Print

Compartilhe
Pelo que se vê nos ensaios, o que não vai faltar é gente pra bater no peito e dizer: Sou Império! Foi assim na última quarta, durante o ensaio técnico na quadra, e foi assim ontem, quando o samba de 2010 mais uma vez mostrou sua força. A quadra não estava cheia, é verdade, mas quem foi até lá não se limitou a assistir, preenchendo os espaços com muita empolgação e entusiasmo.
A cada encontro, os cinco intérpretes imperianos – Jovaci, Bira Silva, André Moreno, Cremilson Silva e Arthur Mocidade – provam que a direção da escola fez uma escolha acertada ao investir na prata da casa. Com desenvoltura e alegria, os cantores, quando não estão incendiando o público com o hino da verde-e-branca para o próximo Carnaval, se alternam para relembrar sambas antológicos da agremiação e das co-irmãs.
Para conferir um pouco do talento de Cremilson Silva, por exemplo, pode-se optar também entre o Pagode da Guacira, às quartas-feiras, na Praia da Macumba (Recreio); os sábados no Candongueiro, em Pendotiba, Niterói; e até os domingos, durante a Feijoada da Tia Elza, no Horto, Jardim Botânico. E se você não conhece fisicamente esse tenor imperiano, não se preocupe, é fácil destacá-lo: Basta atentar para a voz, possivelmente, mais grave do evento.
Já Arthur Franco, conhecido como Arthur Mocidade, em razão de ser ainda o intérprete oficial da Mocidade de Vicente de Carvalho, dá aulas de cantos às segundas e quartas-feiras no coral da Aeronáutica. O músico que, além de abusar da garganta, surpreende ao teclado, também não para, principalmente, nos finais de semana. Não à toa, os outros quatro cantores fizeram questão de que Arthur integrasse o coro de vozes imperianas que embalará o desfile ano que vem.
Mas estes são só alguns exemplos de diamantes que vêm sendo lapidados no glorioso Império Serrano. O novo par da experiente porta-bandeira Danielle Nascimento nos faz entender que a associação de talentos afinados não tem como dar errado. O 1º casal imperiano demonstra um entrosamento que parece ocorrer naturalmente. E
assim, o mestre-sala Alex Marcelino, impulsionado pela aguerrida Danielle, transmite não só simpatia como tranqüilidade aos torcedores. A combinação, parece, foi outro ponto a favor marcado pelos diretores que enxergaram a perfeita identificação da dupla com a agremiação: Garra, simpatia e talento, tal qual o
Império, o casal tem de sobra.
O Império, porém, tem outros personagens que, sem dúvida, vestem a camisa, na alegria ou na dor. É gostoso ver a vice-presidente de Carnaval desfilando suapaixão pela escola da Serrinha, junto às baianas, no centro da quadra, cantando a plenos pulmões. Mas isso, vale destacar, Rachel Valença faz sempre. Surpresa mesmo, e de arrepiar qualquer imperiano, foi ver integrantes do departamento de Carnaval abrirem uma grande roda para festejar o lindo bailado do casal Alex e Danielle, além do glorioso pavilhão verde-e-branco.
E o coração bate ainda mais forte ao simplesmente parar e admirar a bateria. No comando, Mestre Gilmar tira da cartola toda a sua criatividade embasada pela seriedade do trabalho junto aos ritmistas e diretores. A afinação é notória já a partir da rainha Quitéria Chagas, que encara cada ensaio como se fosse o último, como a oportunidade única para responder o porquê de ser uma unanimidade entre os imperianos.
Com o sorriso e a serenidade que lhe são características, Mestre Gilmar ontem, deve-se salientar, foi a todo instante citado e aplaudido. Isso porque, apesar dos aplausos terem virado rotina para ele, Gilmar completou 32 anos na última sexta. Ganhou festa surpresa da família, com direito a churrasco e muita cerveja gelada. Se fez algum pedido ao apagar as velinhas?
O próprio responde: “Meu pedido é sempre o mesmo, ou seja, que eu e meus diretores façamos um bom trabalho à frente da bateria do Império. Eu durmo e acordo pensando nisso”, comentou. Entende esse sentimento? Isso é ser imperiano!

Notícias

Related Posts

Poste seus comentários.