Estácio de Sá

Compartilhe

G.R.E.S. Estácio de Sá

Fundação: 27.02.1955
Cores: Vermelho e branco
Símbolo: Leão
Quadra: Rua Salvador de Sá, 206. Cidade Nova
Barracão: Av. Venezuela, 202 – Centro – RJ
Telefone:2504-0982 / 2293-8330 (quadra) (barracão)
Site: www.gresestaciodesa.com.br

Presidente: Leziário Nascimento

Vice presidente: Luciano Andrade

Carnavalesco: Marcus Ferreira

Assistente do Carnavalesco: Bruno Laïza e Claudio Almeida

Secretaria do Carnavalesco: Letícia Fiuza 

Intérprete: Leandro Santos (Leandrinho)

Comissão de Frente: Junior Scapin

Assitente de Coreografia: João Suassuna

Direção de Carnaval: Edvaldo Fonseca e Valtinho Honorato 

Direção de Barracão: Roni Jorge

Diretor de Ateliera definir

Departamento de Harmonia: Paulo e Casquinha

Mestre de Bateria: Chuvisco

Rainha de Bateria: Marta Love

Musa do Carnaval: a definir

Presidente das Alas Comerciais: Julião

Presidente das Alas de Comunidade: a definir

Presidente da Velha Guarda: Tio Nelson 

Presidente da Ala dos Compositores: Edson Marinho

Presidente dos Destaques: John Michael

Departamento das Baianas: Mario

1º Casal Mestre Sala e Porta Bandeira: Daniel e Alcione

2º Casal Mestre Sala e Porta Bandeira: Hugo e Roberta 

Responsável da Ala de Passistas: Cristiano Amorim

Enredo: “Luma de Oliveira: Coração de um país em festa!”

Alô Comunidade! 
Do “Grêmio Recreativo Escola de Bambas 
Unidos do Prazer e da Alegria,” 
Tramo as palavras 
Revelando minha poesia:

O sol se põe… 
A Cabrocha se enfeita,
Mães Baianas se armam, 
A magia do carnaval se deleita.
Sambistas se vestem de nobres, 
Uma combinação perfeita.

Um canto se espalha pelo ar.
O Pavilhão do amor percorre becos e vielas, 
E o morro desce para desfilar. 
Tudo acontece num estado de graça, 
É a celebração do arco íris de todas as raças.

Mais do que tudo, 
É como se a vida se expandisse 
Por uma única fresta. 
Para Luma, uma linda homenagem. 
Para o Brasil, é o coração de um país em festa.

No baile da Rio Branco, 
Chega uma gente colorida e festeira, 
Que vem dos “brasis”. 
Celeiro da cultura brasileira.

São muitos, são tantos 
Que se curvam sob a luz de seus encantos 
Não é conto, nem magia 
É bumba meu boi 
Brincando na folia. 
É maracatu! Sem choro e sem dor 
Com muito brilho e muita cor.

Solto é o frevo,
Cada um pro seu lado
De passo marcado 
E sombrinha na mão.
Já os caboclinhos 
É ritmado ao som, 
Dos índios, tirados do chão.

Tem boi de mamão, 
E cordões de bichos, 
Preservando os animais. 
Aí estão os Clóvis
Recebendo essas manifestações 
Dos nossos carnavais.

Pra te ver passar 
Os ritmos afros descem a ladeira, 
Rufam os tambores 
Da alma brasileira. 
Vem o povo do Ketu,
Filhos de Gandhí consagrados, 
Olodum num toque refinado,
E a festa dos timbaleiros, 
Com seus corpos pintados.

É na Lapa 
Do Orunmilá, 
Bloco Afro-Carioca, 
Que ao som do ijexá 
Recebe todos os ritmos
Pra te ver brilhar!

De lá pra cá. 
Daqui pra lá. 
Não tem choro, nem vela. 
Tem até marmanjo 
Chupando chupeta, 
No cordão da bola preta.

É na Cinelândia 
Que tudo ganha vida. 
Percebemos o quanto é querida. 
A criatividade predomina, 
Entre muitas fantasias 
Brincam arlequins, pierrôs e colombinas.

A alegria é geral 
Todos rumam 
Pra Sapucaí, 
Como personagens 
Do seu carnaval. 
Tudo se converte. 
Baila Maria Lata D’água, 
Ecoa o apito do Eterno Mestre, 
E o teu povo se diverte.

Chegou a hora, 
Bate forte o coração. 
A cuíca chora, 
Os repiques inflamam, 
E o vigor dos surdos,
Não demora. 
Explode de emoção.

O povo aplaude, 
Esse encontro de gente feliz. 
No balanço dos ganzás, 
E na batida dos meus tamborins.

A avenida é sua. 
E o enredo é o seu altar. 
Com cortejos e desejos 
Para onde todos querem emigrar. 
É nos laços da folia,
Que Luma vai passar!

O enredo é inspirado no texto I give Love de 1988, do compositor João Bosco dedicado à nossa homenageada Luma de Oliveira.

Carnavalesco: Marcus Ferreira

Pesquisa e Texto: Marcos Roza

Desenvolvimento:

Equipe MF Criações (Bruno Laiza, Cláudio Almeida, Letycia Fiuza e Marcus Ferreira)