Marcos Roza

Compartilhe

Entrevista – Marcos Roza


Por Fábio Moraes.

Jeito alegre e amigo. Porém sério e visionário quando o assunto é Samba e Carnaval. Ele foi o pioneiro da profissão “Pesquisador de Enredo”. Marcos Roza nasceu e foi criado no subúrbio carioca, exatamente no bairro de Inhaúma. Sua Paixão pelo Samba nasceu nas rodas de Samba do Cacique de Ramos e do Botequim do Império. Mais tarde, ao graduar-se em História e Cinema pela PUC-RIO, retornou as suas origens e raízes de sambista, criando um novo filão para profissionais que queiram seguir a área de pesquisa e coleta de dados para a criação de novos enredos de Escola de Samba.

“Produzir textos para o desenvolvimento de um enredo, significa obra da obra. Excelente sinopse gera um excelente samba-enredo”, afirma o experiente pesquisador. São 12 anos de carreira e todos os pesquisadores posteriores à sua jornada passaram direta ou indiretamente pelo seu trabalho. Padrinho de Gustavo Mello, Alex Varella entre outros, Roza relembra com muita alegria e emoção os enredos que passaram pela sua história.

FM – Marcos, Como inicia-se o processo de pesquisa em um enredo?

MR – O processo começa com a pesquisa de conteúdo, criando-se uma base de dados e a estrutura de apresentação do enredo. É importante a pesquisa de campo e a existência de um “feeling” para que a história não se perca no meio do enredo.

A pesquisa é a base de criação dos quesitos Enredo, Fantasia, Alegorias e Adereços e Samba-Enredo.

Hoje o pesquisador trabalha em todas as frentes, desde a pesquisa de conteúdo, passando pela elaboração do roteiro do desfile com os carnavalescos, a “defesa de Tese do enredo” publicado no caderno ABRE-ALAS da LIESA e no caderno PASSARELA DO SAMBA da LESGA, até a montagem das fichas técnicas das Escolas. Tenho a responsabilidade de levar para as Escolas as notas máximas nos quesitos Enredo, Fantasia, Alegorias e Adereços e Samba-Enredo, hoje, contabilizando 200 pontos.

FM – Quais os elementos e fontes de dados que busca trazer para tornar o enredo mais rico em informações?

MR – O primeiro caminho é sempre os acervos e como complemento a internet.

FM – E o seu início no mundo do Samba?

MR – Comecei minha carreira em 1997. Após terminar o curso de História na PUC-RIO, como aderecista na GRES Unidos de Vila Isabel. Muito curioso e recém-formado Historiador, tive a minha primeira oportunidade como pesquisador com os carnavalescos Jorge Freitas e Max Lopes, colaborando nos enredos da Vila Isabel de 1998 “LÁGRIMAS, SUOR E CONQUISTAS NO MUNDO EM TRANSFORMAÇÃO” e de 1999 “JOÃO PESSOA – ONDE O SOL BRILHA MAIS CEDO” ambos do carnavalesco Jorge Freitas. E ainda em 1999 trabalhando com Max no desenvolvimento do enredo “EI, EI, EI, CHATEAU É NOSSO REI !”

A partir daí se consolidou a minha carreira. E no ano seguinte eu fui para Estação Primeira de Mangueira para desenvolver a pesquisa do enredo “A SEIVA DA VIDA” com Max Lopes.

FM – Por Quais Escolas você já passou?

MR – Por muitas. Entre elas, eis alguns sambas-enredos que nasceram do desenvolvimento de pesquisa e das minhas sinopses:

1998 – GRES VILA ISABEL -“LÁGRIMAS, SUOR E CONQUISTAS NO MUNDO EM TRANSFORMAÇÃO”
1999 – GRES VILA ISABEL – “JOÃO PESSOA – ONDE O SOL BRILHA MAIS CEDO”
2000 – GRES VILA ISABEL – “EU SOU ÍNDIO EU TAMBÉM SOU IMORTAL”
2001 – GRES IMPÉRIO SERRANO – “O RIO CORRE PARA O MAR”
2001 – GRES ESTAÇÃO PRIMEIRA DE MANGUEIRA – “SEIVA DA VIDA”
2001 – GRES UNIDOS DA TIJUCA – “NELSON RODRIGUES, PELO BURACO DA FECHADURA”
2002 – GRES ESTAÇÃO PRIMEIRA DE MANGUEIRA – “BRAZIL COM Z E PRA CABRA DA PESTE, BRASIL COM S E NAÇÃO DO NORDESTE”
2002 – GRES ACADÊMICOS DO SALGUEIRO – “ASAS DE UM SONHO. VIAJANDO COM O SALGUEIRO, O ORGULHO DE SER BRASILEIRO… “
2002 – GRES MOCIDADE INDEPENDENTE DE PADRE MIGUEL – “O GRANDE CIRCO MISTICO”
2003 – GRES ESTAÇÃO PRIMEIRA DE MANGUEIRA – “OS DEZ MANDAMENTOS! O SAMBA DA PAZ CANTA A SAGA DA LIBERDADE
2004 – GRES ESTAÇÃO PRIMEIRA DE MANGUEIRA – “MANGUEIRA REDESCOBRE A ESTRADA REAL… E DESTE ELDORADO FAZ SEU CARNAVAL”
2004 – GRES PORTELA – “LENDAS E MISTÉRIOS DA AMAZÔNIA 2005 – GRES ESTAÇÃO PRIMEIRA DE MANGUEIRA – “MANGUEIRA ENERGIZA A AVENIDA. O CARNAVAL É PURA ENERGIA E A ENERGIA É O NOSSO DESAFIO”
2006 – GRES IMPÉRIO SERRANO – “O IMPÉRIO DO DIVINO”
2008 – GRES ACADÊMICOS DA ROCINHA – “ROCINHA É MINHA VIDA… NORDESTE É MINHA HISTÓRIA”
2009 – GRES UNIDOS DO PORTO DA PEDRA – “NÃO ME PROÍBAM CRIAR. POIS PRECISO CURIAR! SOU O PAÍS DO FUTURO E TENHO MUITO A INVENTAR!
2009 – GRES ACADÊMICOS DA ROCINHA – “TEM FRANCESINHA NOS SALÃO… O RIO NO MEU CORAÇÃO”
2009 – GRES MOCIDADE INDEPENDENTE DE PADRE MIGUEL – “MOCIDADE APRESENTA: CLUBE LITERÁRIO MACHADO DE ASSIS E GUIMARÃES ROSA, ESTRELA EM POESIA!”
2010 – GRES ESTAÇÃO PRIMEIRA DE MANGUEIRA – “MANGUEIRA É MÚSICA DO BRASIL” 2010 – GRES IMPERATRIZ LEOPOLDINENSE- “BRASIL DE TODOS OS DEUSES” 2010 – GRES ACADÊMICOS DA ROCINHA – “YKAMIABAS”
2010 – GRÊMIO GAVIÕES DA FIEL TORCIDA – CORINTHIANS É MINHA VIDA, CORINTHIANS É MINHA HISTÓRIA, CORINTHIANS É MEU AMOR!
2010 – GRES ARRANCO DE ENGENHO DE DENTRO – “BENDITA BADERNA NUMA RUA CHAMADA FELICIDADE”
2010 – GRES EM CIMA DA HORA – “50 ANOS DE HISTÓRIA, ASSIM CONTA MINHA SENHORA, EM CIMA DA HORA”
e muitas outras.

FM – Qual o enredo que mais o emocionou?

MR – Mangueira 2002: Foi um trabalho pioneiro, diferencial e inovador momento que em parceria com o senhor Oswaldo Martins, criei as sinopses rimadas para um enredo. Neste ano a Mangueira foi campeã. Lembro até hoje, com muita alegria a equipe, sob comando de Max Lopes, reunida vibrando a cada nota, e depois comemorando o campeonato. Destaco também o Império em 2001. Chorei de emoção quando o carro abre-alas virou no “joelho” da avenida – Era a minha infância, o pavilhão do Império Serrano, a Escola onde me reconheço sambista.

FM – Quais os maiores desafios para as pessoas que querem seguir a carreira?

MR – Listo alguns:

A formação acadêmica em História é essencial; ter feeling e se possível uma experiência como estagiário no ramo; ser eficaz e buscar sempre um diferencial para seu trabalho para se manter no mercado.

FM – Você como diretor cultural da LESGA. Quais são os seus maiores desafios nesta instituição?

MR – Desafios são muitos. E superar os desafios é o melhor dos desafios. Bom, pretendo ainda nessa gestão, através das Leis de Incentivo à Cultura criar o CENTRO DE MEMÓRIA DA LESGA. As Escolas de Samba tem uma história, tem uma vida e isso precisa ser guardado. Com apoio da iniciativa pública e privada, o projeto entra em pauta em 2010, logo após o carnaval. Eu acredito, a LESGA veio para ficar. Para o seu segundo carnaval, a instituição vem se organizando de forma inédita e responsável. Hoje estamos a menos de um mês do carnaval e foram cerca de duas reuniões por mês, durante todo ano, reunindo todos os diretores de carnaval e de harmonia, mestres de bateria e outros representantes das Agremiações, com a diretoria de carnaval da LESGA, sob o comando do diretor Edson Marcos. Tudo para que o carnaval de 2010 seja inesquecível, no que diz respeito à competência do “fazer carnaval”.

FM – Você foi o responsável pela criação e sucesso do 1° fórum “É ARTE?, CARNAVAL FAZ PARTE”. Como você vê os resultados deste fórum, à nível de uma participação maior da iniciativa privada e governos na realização do Carnaval?

MR – O principal objetivos do forum foi atingido. Promovemos um espaço de discussao inédito entre diversas áreas artísticas com os profissionais do carnaval, com transparência e inteligência, trazendo a tona questões necessárias como o andamento, hoje, de uma bateria de uma escolas de samba, a homossexualidade nas alas de passistas, discutindo o samba no pé e diversos outros assuntos pertinentes ao desenvolvimento do samba e do carnaval. A ideia de montar o cenário do fórum como um programa de TV fez a diferença. Todos que participaram puderam ficar descontrádos, desinibidos e com isso ampliamos o canal de comunicação entre os palestrantes, mediadores e público. Resultando no sucesso que foi a primeira edição. e que certamente carimbou o passaporte do Fórum É Arte? Carnaval faz Parte! para fazer parte do calendário cultural da cidade com a sua segunda edição. Hoje o fórum é uma realidade, haja vista a análise dos resultados, organizados em um portifólio que encaminhamos para todos os participantes como os amigos empresários, amigos políticos, os patrocinadores do evento, palestrantes, mediadores e outros.

O que mais alegrou todos nós foi a repercussão que o fórum gerou… nas instituições, nos sites especializados, nos segmentos das escolas e em todos interessados. Todos fizeram coro para continuidade, muitos anos de vida para o Fórum É Arte? Carnaval faz Parte!

FM – Uma Paixão para Marcos Roza?

MR – A minha maior paixão é o meu trabalho. É o centro da minha vida, que me dedicado com muita satisfação. É feliz pesquisar, criar, produzir textos, as vezes disponibilizo 16 horas de trabalho, mas vê-los acontecer para genialidade de compositores de escolas de samba, roteiristas cinematográficos é absolutamente genial. É o exemplo da sinopse da Imperatriz para o carnaval 2010, considerada entre as 12 agremiações a melhor e consequentemente gerou o melhor samba-enredo do ano, apontado por diversos formadores de opinião do mundo do samba e imprensa especializada de carnaval.

– Quando ouço o samba da verde e branco de Ramos, fico emocionado. Foram as palavras da minha sinopse que ajudou na construção dessa “obra de arte”. Mas pra tanto agradeço, um dos melhores carnavalescos da atualidade, Max Lopes. O qual trabalho há 11 anos, e sempre dirige com maestria a produção e conduz de forma excelente o desenvolvimento dos enredos propostos.

Por agradeço a todos os meus amigos, a todos que direta e indiretamente possibilitam a realização do meu trabalho. Porque na minha trajetória o importante é fazer amigos e parceiros profissionais. Sempre!

Marcos Roza