Maurício Mattos

Compartilhe

Entrevista – Maurício Mattos

Por Fábio Moraes.

Sr. Presidente. Quando começou a sua paixão pelo samba, em especial o carnaval carioca?

Jovem, era do subúrbio é já admirava as Escolas de Samba. Em 1966, saí pela primeira vez na minha Escola de origem, Portela, quando fui campeão com o enredo “Memórias de um Sargento de Milícias”. Em 1969, fundei a Ala do Estudante da Portela, que foi sucesso no Carnaval e também ajudou a Escola a se renovar. Depois, além da paixão pelos desfiles, me tornei um empresário do próprio Carnaval, criando a revista Rio Samba & Carnaval. O camarote da Avenida dos desfiles e agora, com muito sentimento e determinação, presidindo a Escola do meu bairro, a Acadêmicos da Rocinha.

Além da Rocinha, existe uma outra escola de samba que o Sr. tem um carinho especial?

A Portela me seduziu bem cedo e me fez amá-la, junto com minha mulher, Tania, essa extraordinária agremiação de tanta história e tradição, que nos emociona a todo momento. Uma escola que, agora, está muito bem dirigida pela atual gestão, fazendo da agremiação, com certeza, uma forte candidata ao título do Grupo Especial.

Quais os avanços da escola nesses 6 anos de sua gestão?

Nossa gestão completa 6 anos em março de 2009. Foi fascinante e significou muita experiência e mudanças no comportamento da minha vida. Conseguimos excelentes avanços da relação humana e social, fazendo da nossa escola uma escola de vida. Melhoramos a auto-estima da comunidade e mantivemos uma ótima relação com o nosso bairro, diminuindo a distância entre o asfalto e o morro. Hoje, a Acadêmicos da Rocinha é uma agremiação de toda essa região da zona sul da cidade. A maior conquista foi a criação do núcleo de responsabilidade social, o Qualificar, que hoje é uma realidade na formação e capacitação de jovens para a vida profissional e da cidadania. O Qualificar conseguiu reunir mais de 320 pessoas, formando cidadãos ou aprimorando seu comportamento diante da sociedade.

Hoje, a GRES Acadêmicos da Rocinha é uma referência em projetos sociais e integração entre o morro e o asfalto. É a saída que o senhor vê hoje para a grande desigualdade social que existe em nosso país?

A escola de samba tem que focar nesse problema, não só para diminuir a desigualdade social, mas para que a Escola se tornar forte e vencedora. O carnaval e o desfile tem que ser a grande contemplação do resultado, da dedicação de cada um na sua participação. Desfilar tem que funcionar como prêmio de desempenho, resposta ao compromisso que a comunidade demonstra participando do carnaval e de suas atividades culturais e sociais. É dessa forma que nosso país poderá resolver essa situação.

Uma outra inovação por parte de sua gestão, é uma forte campanha publicitária da marca Acadêmicos da Rocinha, mostrando os avanços da comunidade, os projetos sociais e as personalidades da escola que abrilhantam o desfile da borboleta. É uma marca Maurício Mattos?

Não é minha marca esse procedimento. Está claro que a Rocinha é uma importante marca institucional, que todos conhecem. O que fizemos, além de organizar a escola de samba, foi fortalecer a marca e procurar divulgar a simbologia, as personalidades da escola, criando uma credibilidade com a população e o mercado, que vem acreditando em todo o nosso
desempenho e no percurso de sucesso da própria agremiação. Buscamos atrelar o ser humano à nossa comunidade, que busca o bem estar social, mas também fica feliz em ver sua maior identidade popular, crescendo. Uma trajetória que deixa todos aqui orgulhosos por essa performance.

E a Rocinha 2009?. Vem pra briga pelo título do acesso?

Não só virá para a maior conquista, mas preparada para cumprir com seu compromisso de mostrar um carnaval com enredo forte e de amplo conteúdo. O samba adequado ao tema, que esse competente carnavalesco desenvolveu e está produzindo com inteligência e capacidade produtiva, para todos conferirem o que estamos fazendo. Aguardem!

Um carnaval inesquecível para o público foi o carnaval de 2005, “Um mundo sem fronteiras”, na qual a Rocinha garantiu o título do acesso. É com essa mesma energia que o Sr. espera de sua comunidade?

A energia e otimismo fazem parte permanente do perfil dos nossos componentes, tanto da comunidade, como do asfalto. Sem eles, não alcançaríamos um desempenho vencedor, como foi naquele carnaval ímpar, em 2005, quando tudo era parecido como agora. É só esperar para ver.

Como o senhor espera que as pessoas lembrem da Rocinha, quando o locutor anunciar dia 21/02 na Marques de Sapucaí, “Com vocês, GRES Acadêmicos da Rocinha”?

Esse momento é revestido de ampla emoção, não só pelos componentes, principais personalidades do desfile, que trabalham o ano inteiro para viver esses 60 minutos de muita emoção e sentimento. Mas também pelo público que nos incentiva e torce para essa marca forte, que é a Rocinha. Portanto, espero que, sem dúvida alguma, ao ser anunciada a presença da Escola para o início do desfile, que possamos causar um grande impacto, por todo o sonho e a fantasia que a Acadêmicos da Rocinha deixará na memória de todos aqueles que contemplarão nosso desempenho.

Uma Paixão para MM?

Tudo o que faço na minha vida é por paixão.

Obrigado pela entrevista Sr. Presidente.
Obrigado
Mauricio Mattos.
Presidente Acadêmicos da Rocinha.